h1

Capacete é coisa que colocaram na sua cabeça

fevereiro 4, 2010

Vitor de bike e chapéu

Foto tirada pelo João Lacerda

Eu não sei se você lê o Destak, mas na terça-feira o André Pasqualini, cicloativista e diretor do Instituto CicloBR, escreveu sobre o uso do capacete para ciclistas, em sua coluna semanal.

O texto, que vale a leitura, gerou bastante polêmica. Os ciclistas estão divididos e os motoristas morrendo de medo. E a galera do proíbe já quer legislar e obrigar ciclista a usar boné de isopor.

Resolvi me pronunciar sobre o assunto em apoio ao André. Resolvi dizer, já preparado para ouvir muita coisa, porque pedalo sem capacete na cidade.

Em primeiro lugar, quando comecei a pedalar, usava o capacete todo o tempo. Tinha muito receio de pedalar sem ele, criticava quem não usava. Foi então que um ônibus da Transpass me atropelou. E quer saber? Minha cabeça não chegou nem próxima ao chão. E não fui o único:

"Veja, Johnny, nem um arranhão na cabeça dele. É por isso que você deve usar capacete!" (clique para ver ampliado)

"Veja, Johnny, nem um arranhão na cabeça dele. É por isso que você deve usar capacete!" (clique para ver ampliado)

 

Ralei o braço e a perna. Machuquei um pouco o ombro. Mas a cabeça nada. Comecei a ler estudos sobre o assunto, entre eles um que sugere que pedalar com uma peruca loira traz mais segurança do que pedalar de capacete. O motivo é simples:  os motoristas tendem a passar mais próximo de ciclistas com capacete do que de pessoas sem capacete – ou de mulheres. No dia a dia do trânsito, percebi que era mais importante que motoristas ultrapassassem em segurança do que estar pronto para a colisão. Até porque, em geral, em colisões com carros, o capacete não faz grande diferença.

“Mas motociclistas usam capacete, é um item importante de segurança”.

Por outro lado, a velocidade desenvolvida pela moto (70, 80km/h) dificilmente é alcançada por um ciclista urbano. Minha velocidade máxima foi de 66 km/h, em uma descida – e eu estava de capacete.  Mas eu não atinjo mais essa velocidade, porque pedalar sem capacete me obriga também a pedalar com mais cuidado. É num acidente em alta velocidade que mora o risco.

“Não importa, em uma colisão o capacete pode salvá-lo”

É verdade. Pode mesmo salvar uma vida. Mas pode não fazer diferença nenhuma e normalmente não faz, como foi o caso da Márcia Prado. O João Lacerda me conta que lembra vividamente do capacete dela despedaçado. Tudo porque num encontro com um ônibus, não é um chapéu feito de isopor que vai fazer a diferença. E se a ideia é dizer que “às vezes protege sim” (o que é verdade), pedestres também deveriam caminhar de capacete (e joelheiras, cotoveleiras, luvas). Mais ainda: pelo índice de traumatismos cranianos em colisões entre carros, todos os motoristas deveriam dirigir de capacete. Indo um pouco mais longe: muita gente cai no banheiro e bate a cabeça, podendo até morrer. Você se vê tomando banho de capacete?

It's style over speed!

It's style over speed! (foto de Laura Sobenes)

Cidades cicláveis

Em países como Dinamarca e Holanda, capacetes não são obrigatórios – e quase ninguém os usa. E por onde você olha, existem ciclistas. Você poderia argumentar que lá existem ciclovias – e existem, mas não em todos os lugares. O que existe é respeito ao ciclista, e ciclistas nas ruas.

Segurança nos números

Por outro lado, estudos sugerem que, quanto mais ciclistas nas ruas, mais eles estarão seguros.  Não é uma questão de que existe uma chance menor de um ciclista ser atingido (como no caso de cardumes de peixes). A teoria diz que com mais ciclistas nas ruas, motoristas tendem a acostumar-se com sua presença, aprender a lidar com essa pessoa no trânsito e como agir a respeito. Além disso, com mais ciclistas nas ruas, aumenta a chance de um motorista também ser ciclista em outros momentos.  Na Austrália, muitos pedalavam e acidentes aconteciam. O governo resolveu obrigar o uso do capacete e, do dia para a noite, o número de acidentes graves diminuiu 30%. Genial, não? Genial foi que o número de ciclistas nas ruas caiu em cerca de…  30%!!!! Com o tempo, no entanto, o número de acidentes por ciclista nas ruas foi aumentando. Ou seja, a quantidade de ciclistas que se machucava pode ter diminuído em números absolutos, mas aumentou em números relativos. Sem falar em outros riscos associados a uma população menos ativa.

Precisamos mesmo de capacete?

Precisamos mesmo de capacete? (clique para ver ampliado)

Sou mais respeitado de capacete

Eu já pedalei com e sem capacete. E posso dizer que isso não é verdade. Desde que comecei a pedalar sem capacete, as pessoas começaram a me respeitar mais. No mínimo, o respeito é o mesmo. Geralmente quem diz isso nunca saiu sem capacete na rua para testar o outro lado. O que posso dizer é que sou mais respeitado quando estou cycle chic do que quando estou com roupas de lazer. Me parece ser  aquele lance de que “quem está indo trabalhar tem mais direito à rua”.

Cultura do medo

Ver um ciclista de capacete remete a duas coisas: pedalar é perigoso. E de capacete, o ciclista está seguro. Ambas as afirmações são falsas. Pedalar é perigoso às vezes. E o ciclista de capacete está seguro às vezes. Quando resolvi começar a pedalar sem capacete, iniciei em trechos menores (ainda hoje, em trechos longos, que desconheço ou que considero mais arriscados, pedalo com capacete).  Ainda não tinha certeza da minha decisão, até que uma motorista estava passando ao meu lado e gritou comigo “Você pedala aí sem capacete e eu fico preocupada”. Bingo! Eu respondi que não precisava, era só não tirar fina de mim. Ao que ela respondeu: “Mas não tem espaço” e saiu muito brava. Imagina se eu estivesse de capacete? Ela diria: Ah, ele está “seguro”, posso tirar fina. O que não seria verdade, seria? Aliás, se você pedala, conhece essa fina: é a fina educativa, para ensinar ao ciclista que ele não deveria estar ali.

Conclusão

Pedalo sem capacete porque não acho fundamental. Pedalo sem capacete e com roupas “civis” porque quando um pedestre me vir quero que ele pense “que legal que ele está de bike, eu podia estar também” e não “Pedalar é perigoso e eu preciso de um monte de roupas especiais”. Pedalo sem capacete porque acho bonito. Porque quando um motorista me vir ele pode pensar duas vezes nas consequências de uma fina. Pedalo assim porque não uso capacete para andar, para dirigir ou para usar o banheiro. Porque prefiro prevenir acidentes. Pedalo porque me sinto mais seguro assim. Pedalo sem capacete porque eu estou me locomovendo e não praticando esporte – muito menos radical. E se um dia você me vir pedalando de saia Kilt, é porque deve ser mais seguro – e divertido – pedalar assim.

:::

Se você quer saber mais, na Wikipedia existem muitos argumentos contra e a favor sobre o uso do capacete. Qualquer que seja sua escolha, ela será sua escolha e não deve ser imposta por ninguém, nem por mim nem por legisladores. Quer usar o capacete, use. Não quer, não use. O que importa mesmo é que você pedale, divirta-se, curta a cidade e o caminho.

:::

Update: o blog Outras Vias escreveu um post que considero um boa contraposição ao que disse aqui. Confira lá. Recomendo.

:::

Siga o @quintal no Twitter.

About these ads

62 comentários

  1. Sim, polêmico. No último fim de semana, caí de bicicleta e quebrei a clavícula. Estava sem capacete mas minha cabeça não sofreu um arranhão sequer.

    Mas vc nunca sabe como vai cair, correto? Da mesma forma como dessa vez não bati a cabeça, de outro tombo meu capacete ficou todo arranhado, assim como o resto do corpo.

    É sempre bom lembrar que não são todos os ciclistas que pedalam como eu, vc e tantos outros, sempre de olho no trânsito e procurando se proteger. A maioria do pessoal que pedala não se considera parte do trânsito. Não cumpre com seus deveres. Incentivar o não uso do capacete é uma imprudência. Tudo bem que dificilmente vc vai bater com a cabeça ou que o capacete por si só vai salvar sua vida, mas pode sim salvar. As vezes um tombo bobo, sozinho, pode ser fatal.

    Eu tbm gosto de pedalar sem capacete, acho muito mais agradável, mas acho que isso que você está fazendo é uma grande irresponsabilidade. Pense nisso.

    Uma pena…


  2. Já que é pra criar polêmica… (rs)
    A duas semanas levei uma bela de uma fechada em uma rua e minha cabeça direto de encontro com a guia da calçada. Devia estar a uns 20 ou 30km/h. Foi uma daquelas ocasiões em que não tive como prever nada. Só deu tempo de gritar e ver o chão crescendo…

    O que teria acontecido se eu estivesse sem capacete? Não sei, e prefiro não fazer uma experiência científica sem ele pra ver o que acontece. Ah sim, estava de bermuda e camiseta, dessas que o pessoal usa na rua mesmo. =)


  3. Zeca,
    Se você ler o último parágrafo, verá que eu não estou incentivando nada. Estou apenas contando meus motivos e dizendo que só o que acho é que deve ser a decisão de cada um. Quem sou eu para dizer como vc deve ou não pedalar? Outra: se você ler o que escrevi, coloquei diversos motivos pelos quais acredito que pedalar sem capacete pode ser mais seguro do que pedalar com. Não estou sendo leviano, já que cito estudos científicos sobre o assunto. Ainda assim, estou dizendo que o debate sobre o uso do capacete é inconclusivo e, portanto, deve ser decisão de cada um.


  4. Nobre colega,

    Uma irresponsabilidade é incentivar capacetes quando muito melhor são mais pessoas em bicicleta. Fazer terrorismo dizendo que talvez o boné de isopor pode te salvar é prejudicial para alcançarmos o ideal de mais pessoas nas ruas.

    Quer usar capacete, use. Principalmente se você pedala rápido ou por esporte, mas não fique lembrando os outros sobre as milhares de maneiras que sua cabeça pode explodir no meio fio.

    Afinal, o traumatismo craniano é a maior causa de morte de MOTORISTAS e nem por isso quem dirige sem um nas ruas ou estradas é taxado de irresponsável.


  5. Há de se considerar que existem dois tipos de segurança: Passiva e Ativa.
    A primeira evita um sinistro. A segunda diminui as consequências. Tipo ABS e airbag.
    Pra mim, quanto mais segurança, melhor. E nós, ciclistas urbanos, carecemos muito dos 2 tipos de segurança, pela grande covardia que é ter que lidar com os autos lado a lado.
    No mínimo, quando estou de capacete me sinto mais livre pra me concentrar em evitar o que é mais perigoso – autos.
    O capacete atua apenas na segurança ativa, é verdade. Mas acho ignorância chamá-lo de boné de isopor. Basta conhecer um pouco de física pra não desprezar a eficácia do acessório.
    Ainda que esqueçamos as pancadas (o crânio é o único osso do corpo impossível de ser engessado), o capacete já vale pra evitar (como já provei) linhas de pipa, galhos de árvores e batidas pequenas. Coisas que só experimenta quem anda de bike, pois pedestres têm mais tempo de evitar e motociclistas/motoristas se envolvem em tretas maiores.
    Há de se separar o que é atitude e o que é GRIFE comportamental. Disseminar boas práticas é mais importante do que estar bem na fita.


  6. Interessante seu ponto de vista. Uso capacete e mesmo com argumentos “Científicos”, ainda não deixarei de usar. Ando rápido, às vezes no corredor, já levei fechadas e pego avenidas movimentadas. O capacete é indiscutivelmente uma proteção física adicional. É uma proteção psicológica adicional? Os motoristas irão lhe respeitar mais ou menos? Não Sei, mas fisicamente é uma proteção adicional. Os argumentos e estudos científicos não servem para nos dizer o que fazer, pois cada acidente é diferente e a chance de bater a cabeça existe. Recomendo o uso!


  7. Eu li todo o texto, Vitor.

    Mas vc sabe como é que funcionam as coisas. As vezes o simples fato de vc mostrar um ponto de vista já pode fazer umas cabecinhas mais fracas, da mesma forma como a galera se ilude com a sensação de liberdade mostrada nos comerciais de automóveis.

    Cada um que pedale com bem entender sim… mas bater na tecla da segurança sempre que possível nunca é demais. Mesmo que alguns não queiram usar equipamentos de proteção.


  8. Zeca, aí é que você se engana. O mundo é construído pelas perguntas que fazemos. Qdo você fala em segurança, o que pensa é em risco. E os riscos associados à bike são menores se comparados a não andar de bike. Existem sim riscos, mas com mais ciclistas nas ruas, mais seguro é para todos. E o capacete, como obrigação, é fator de redução do número de ciclistas nas ruas, o que torna a coisa toda mais insegura. É a cultura do medo.

    Então fica fácil de entender: falar do prazer de pedalar = mais ciclistas nas ruas = mais segurança. Falar em capacete e segurança = riscos de pedalar = menos ciclistas nas ruas = menos segurança.


  9. Nobre vitor! Estamos em um momento de transformação sobre a cultura da bicicleta em nosso país! Se vc com todos os argumentos que tem sobre o assunto em questão, apoiado por uma pesquisa cientifica onde trata do mesmo com propriedade, deveria ao mesmo tempo notar que::: vc está tbm induzindo de certa forma no que se refere as aculturações desse assunto! No caso a bicicleta! Mas como estamos em um pais democratico, onde vc pode se expressar livremente, preciso frisar tbmm que:: Se este asunto fosse abordado em outro pais com uma cultura onde a bicicleta entra no contexto, teria lógica seu ponto de vista pois os terceiros respeitam as regras onde o cilista é reconhecido na sociedade. Vc sabia que um ciclista com as roupas e o capacete, reflete ao motorista brasileiro um olhar de respeito e qdo ele vê uma pessoa com roupas e chapéu.. (civil) como vc menciona acima, ele imagina que vc é desinformado e se quer se preoculpa com sua vida e ainda atrapalha o trânsito! Gostaria de lhe convidar para postar esse assunto em meu blog de pesquisas sobre o assunto e lhe mostrar uma vez mais que: Seja por Cultura, aculturações ou científico, vc acabou de entrar em uma infelicidade tamanha! Lembre-se que vc tbm é um formador de opinião, seus questionamentos são ótimos porém não se insere em nossa cultura nacional(Brasil). Gostaria muito de saber sobre os estudos que vc leu e se os mesmos são da américa do sul ou de outras regiões? Caso a sua resposta seja de outra região, então já tenho minha resposta! Sou Pós-graduado em planejamento de projetos e trabalho muito para melhor a cultura sobre as bikes em nosso pais! Não sou cicloativista, mas respeito seu trabalho e ponto de vista, porém! Deixo o meu canal aberto para vc testar e ver como o publico brasileiro se manifestara diante de seu ponto de vista! Isso vai na contra mão de muitos valores onde vc não deve ter pensado antes de escrever com tamanha propriedade sobre o assunto! Por fim, Convido vc e todos que estão vendo essa postagem para conhecer o meu trabalho no seguinte link: http//bikepesquisa.blospot.com sem mais, Gilmar Cardoso.


  10. Quem acha que o uso do capacete reduz o número de ciclistas na rua, talvez deva pensar se o número de mortes por traumatismo crâniano, que a mídia certamente irá divulgar de forma insistente, não afastará ainda mais ciclistas da rua.
    Nada alimenta mais a indústria do medo do que fatalidades envolvendo cidadãos indefesos, devemos sim é sair da passividade, NÃO TENHO VOCAÇÃO PARA SER VÍTIMA.


  11. O unico capacete que eu realmente acho que vale a pena é o de cros country.

    Esses marretas de isopor que só cobrem o “tampo” não adiantam nada!

    É a mesma coisa que os motociclista que usam capacete coquinho. Não serve de nada!

    Vou dar uam exemplo eu nunca use capacete porem um dia dei de frente com um carro me esfolei todo menos a cabeça. Porém após isto fiquei com receio de pedalar sem um capacete

    O que aconteceu no primeiro dia de capacete novo?!

    Fui fechado, xingado e no fim do dia atropelado novamente.

    Tive MENOS respeito e MENOS atenção.

    Desde então só pedalo sem capacete e acreditem as pessoas(motoristas) me repeitam mais!


  12. Capacete é segurança… assim como luva e óculos apropriados. Itens básicos. Ótimo que numa queda não usemos todos eles (ou talvez nenhum), mas eles estão ali para proteger. Embora esses itens não tenham sido projetados pra proteger dum atropelamento de jamanta, são peças que ajudam a proteger o ciclista numa provavel queda.

    O unico argumento que não consegui engolir foi esse da cultura do medo. Isso vai além do pedalante… respeito é respeito e deve existir em todos os lugares, seja no banco do motorista ou no selim. E todos nós sabemos que não é um capacete (ou a falta de um) que vai fazer mais ou menos pessoas pedalar. O que vejo é exatamente o contrário: a admiração das pessoas ao ver que tu é alguém preocupado com tua segurança. Vejo isso mais como um exemplo a dar e ser seguido.

    Não sei quanto aos outros, mas em mim ao menos, usar capacete produz uma sensação de segurança pois sei que se cair, não vou me machucar tanto.

    Embora continue preferindo não usar.


  13. Vitor, meu querido,

    Nem havia terminado de ler seu artigo e o já achei soberbo. Também não pedalo de capacete, por questões inicialmente estéticas e ultimamente de conforto, mas me incomoda não ter moral para criticar um motorista que fizer uma cagada por estar sem com o respectivo boné de isopor. Imagino a cena: grito “olha o farol!” para um motorista daltônico e ele me grita de volta: “olha o capacete!”. Não há tempo para chá e biscoitos acompanhados de uma looonga discussão que farol é proibido, capacete é facultativo.

    A não ser que tenhamos uma pesquisa séria, feita de forma imparcial, que mostre em números o quanto que os motoristas respeitam mais ou menos um ciclista com seu devido capacete bem como suas roupas de spandex (ops), a polêmica vai continuar. Isso também vale para os acidentes: quantos deles foram fatais, quantos graves e qual parte do corpo do ciclista foi escangalhada. Se não me engano, com o cinto de segurança para o motorista e o capacete para o motociclista isso foram bem demonstrados matematicamente.

    Eu não formo opinião sobre o assunto porque acredito que não temos em mãos dados o suficiente para conclusões. Falar sobre as sensações de estar mais ou menos seguro com seu uso também é muito subjetivo. Dado este fato, concordo com seu bem escrito artigo que esta é uma questão pessoal e deve ser deixado bem claro aos novos ciclistas que o que existe é uma polêmica em torno disso, mas nada conclusivo.

    fortes abraços e boas pedaladas com a cabeça ao vento


  14. Obrigar o capacete só faria sentido se os próprios motoristas fossem, de fato, obrigados a cumprir as leis que prescrevem respeito e que pretendem proteger a vida.

    E aí, o capacete já não seria mais tão necessário.

    No Brasil de hoje acho que ele é necessário em alguns momentos, mas também discordo de estabelecer uma cultura de bike em bases agressivas e usando o perigo como premissa.


  15. @Gilmar
    “Vc sabia que um ciclista com as roupas e o capacete, reflete ao motorista brasileiro um olhar de respeito e qdo ele vê uma pessoa com roupas e chapéu.. (civil) como vc menciona acima, ele imagina que vc é desinformado e se quer se preoculpa com sua vida e ainda atrapalha o trânsito!”

    Como eu disse, a evidência que tenho é empírica, assim como a sua deve ser. Não existem pesquisas nesse sentido no Brasil, e você afirmar que é assim é um pouco de exagero também, não? Não vejo pq ele acharia que sou desinformado. O que há em desinformação em não pedalar de capacete, já que não é item obrigatório?

    “Seus questionamentos são ótimos porém não se insere em nossa cultura nacional(Brasil).”

    Fica difícil dizer que não se inserem se eu só pedalo no Brasil e, principalmente, em São Paulo. Ainda que eu tenha informação de outras “culturas ciclísticas”, eu me baseei no Brasil mesmo.

    “Isso vai na contra mão de muitos valores onde vc não deve ter pensado antes de escrever com tamanha propriedade sobre o assunto!”

    Gilmar, seria interessante que você descrevesse esses valores que não levei em conta. Veja, essa posição minha não é leviana, foi criada a partir da minha experiência, da leitura de pesquisas e de tentativa e erro. Não acho que tenho a razão, até pq deixei claro que essa é uma questão polêmica no mundo todo. Se você der uma olhada, vai ver que linkei diversos estudos e opiniões nesse texto. Dê uma lida e seja bem-vindo a voltar e argumentar. Quem sabe podemos aprofundar a conversa?


  16. Neil,
    Boa parte dos ciclistas urbanos pedalam sem capacete. Não vou quantificar, mas creio que a maioria deles, inclusive. Isso não aumenta absurdamente o número de traumatismos cranianos. E só o que estou dizendo é que a OBRIGAÇÃO do uso diminui o número de ciclistas, pq passa a mensagem de que pedalar é perigoso (e não estou dizendo que não tem seus riscos).

    Veja exemplos aqui: http://www.transporteativo.org.br/Temp/ctcc_90.pdf e aqui: http://picasaweb.google.com.br/jglacerda/ContagemPaulista190108#


  17. @Zeca,
    O que estou dizendo sobre a cultura do medo é que obrigar o uso do capacete faz com que as pessoas pensem no risco e não nas vantagens de pedalar. Sua experiência é diferente da minha no sentido do respeito. E claro, essa experiência é subjetiva, embora eu sinta sim a diferença entre pedalar com “cara de trabalho” e pedalar com “cara de lazer”. Quanto ao capacete, não dá pra saber ao certo e me baseei na pesquisa que cito, feita na Inglaterra por um psicólogo, bem como nos meus estudos em propaganda ideológica e comunicação de riscos.

    Só achei engraçado você dizer que se sente mais seguro de capacete mas prefere pedalar sem. ;)

    Se é o que estou pensando, pra mim é interessante: sem capacete eu me arrisco menos no trânsito, justamente por não ter essa sensação (que creio falsa) de segurança.

    @Verônica
    Discordo que obrigar o capacete “só faria sentido se os próprios motoristas fossem, de fato, obrigados a cumprir as leis que prescrevem respeito e que pretendem proteger a vida.” Obrigar o uso do capacete não tem, a meu ver, ligação direta com a obrigação de que os motoristas cumpram as leis, muito embora acredite que a fiscalização e o respeito sejam condições fundamentais para a segurança do ciclista. Pq atrelar uma coisa à outra não?


  18. olha..
    adorei seu texto vitor..
    hoje concordo bem mais com suas palavras!
    tirei a capa de ‘medo’ que vestiram em mim e compreendo todos os argumentos!
    ja comecei a pedalar sem capacete,
    precisa mais atenção, mais cuidado
    e isso é bom!
    ciclista muito seguro de si só faz cagada!
    e provei desse mel “fica ai sem capacete e dpos quando cai a culpa é minha!”
    MAS É SUA!

    sou a favor da segurança pela segurança
    uso capacete quando acho que devo usar
    e ninguem tem nada a ver com isso


  19. Vitor

    é, você escreve super bem, super cheio de argumentos, super super.
    mas eu tenho medo, bastante medo, e ainda acho que não da pra prever como vou cair, se algo acontecer.
    e eu sou adepta do slow bike, fico muito atenta o tempo todo, todas essas coisas que você disse ai.
    mas penso: SE cair, SE for de repente, SE minha cabeça for direto na guia… SE meu destino não for similar ao da Marcia… não vou ter duas chances, entende? e não quero virar um vegetal, e eu acharia lindo poder pedalar com os cabelos ao vento sem peruca loira mas não vou arriscar. Não em SP.

    eu tento não encher o saco de quem resolve pedalar sem o capacete, mas eu fico rezando pra num acontecer nada.
    e eu nem rezo.

    é isto.


  20. Com ou sem capacete, eu acho que a questão vai além da segurança. É questão de respeito e educação. Não só por parte do motorista de carro, mas do ciclista também. E, assim como tem muito motorista grosso por aí, tem muito ciclista maleducado também.


  21. Capacete, Segurança que você coloca na sua cabeça!
    Não se deixe enganar.


  22. Vc usa camisinha?


  23. Olá, Gisele, não entendi sua pergunta.


  24. Ei, que massa ler um texto que dialoga com as duas posições sobre o uso do capacete!
    E mesma já usei e achava que todo mundo tinha que usar.
    Eu mesma já me meti em alguns acidentes envolvendo bicicleta – carro – chão e bicicleta – pedestre – chão. Nunca bati com a cabeça no asfalto. E se tivesse batido, teria machucado o queixo (que o capacete de ciclismo não protege).
    Deixei de usar o capacete depois de morar na Holanda por um ano.
    Legal que você contempla o assunto dos dois lados e assim matém o seu caráter polêmico.


  25. Opinião é igual bunda. Cada um tem a sua. Em uma terça-feira de outubro de 2009, fui atropelado na contramão por uma motorista ao celular. Jogado pro alto, (um tombo louco), fui com a parte superior da cabeça de encontro ao asfalto. Graças a Deus estava de capacete. Talvez eu não tivesse tido sequelas ou me machucado, mas fico feliz que o capacete tenha me deixado só com as dúvidas do que teria ocorrido se eu não estivesse usando. Ao me verem pedalando de capacete, que os pedestres e jovens pensem quem pedalar é algo que exige atenção e respeito consigo e com o próximo.


  26. Bom no caso de capacete vai de cada um já cansei de ver Lance Armstrong pedalando sem capacete de Marco Pantena também somente com um lenço na cabeça, isso vai de cada um, mais eu uso sempre e não usava mais como onde moro é muita serra resolvi usar ainda mais que cai um tombo de bike usando o capacete e rasguei toda a roupa no asfalto luvas e estava a 72kmh o acidente foi feio, mais a primeira parte do meu corpo que teve contato no asfalto na queda foi a cabeça e o capacete esta para quem quiser ver como ele ficou… mais minha cabeça não sofreu nada, mais o resto do meu corpo se arranhei tudo inclusive tenho fotos de tudo pois estava filmando a descida na hora do acidente…mais isso vai de cada um… abraços a todos.


  27. Olá, Luiz. Ainda bem que vc está inteiro. Mas é isso: pedalar a 72 km/h na serra não é algo que eu aconselho fazer, ou faria, sem capacete. Eu pedalo a uns 15 km/h, o que é BEM diferente. Abraço.


  28. Algumas das pessoas que vieram contraargumentar não sederam conta de uma coisa; os argumentos não são anti-capacete. São contra a OBRIGATORIEDADE do uso do capacete.

    Eu tenho fases em que uso e outras em que não uso. Fui atropelado quando usava, me quebrei inteiro e o capacete não sofreu um arranhão e não me ajudou em nada. Quando sarei das fraturas, voltei a pedalar… e sem capacete.

    A questão é: deixem cada um fazer o que achar melhor para si. Tem coisa muito mais importante do que capacete pra garantir a segurança do ciclista no dia-a-dia (ser mais rápido que os carros, p.ex.), mas eu não fico enchendo o saco das pessoas que não o fazem, cada um com seu cada qual.


  29. Infelizmente nao e deixando de usar o capacete que voce vai vencer o preconceito.


  30. Cada um faz o que acha…

    Mas como já vi uma pessoa ser salva por um capacete, quando caiu e bateria a cabeça em um meio fio… Continuarei a andar com ele, pois pode ser que 0,01% das pessoas são salvas por capacetes, mas mesmo assim é uma proteção…

    E sinceramente depois que comecei a andar com capacete, tive menos problemas com motoristas de quando andava sem… Neste 3 anos e meio que ando com capacete tive 4 situações em que alguem me cortou a frente ou passou por um fino…

    Mas cada pessoa faz o que quer…


  31. […] no mundo, inclusive São Paulo e Curitiba. Se você acompanha este blog, sabe que eu também sou adepto do […]


  32. […] Capacete é coisa que colocaram na sua cabeça […]


  33. Antes de tudo, parabéns pela iniciativa de tratar do tema. Com certeza você pensou muito antes de escrever/publicar o texto já antecipando a polêmica…

    Concordo que o capacete não protege da enorme maioria dos acidentes, mas vai que aqueles poucos na estatística aconteça comigo?

    Entendo e respeito que não usa, assim como concordo que o item não precisa ser obrigatório.

    Uso o capacete com frequência e já percebi por diversas vezes mais respeito, tanto por parte de motoristas quanto de pedestres, na rua ou ciclovia, seja aumentando a distância ou dando preferência.

    A impressão que tenho é que ao usar o capacete ajudo na compreensão/educação das pessoas ao perceberem que a bicicleta também é um meio de transporte, precisa ter seu espaço e deve ser respeitada.


  34. Excelente texto!
    Este link da ECF complementa com alguns dados bem interessantes e muita credibilidade:

    http://www.ecf.com/3675_1

    Clique pra baixar o PDF.

    Parabéns
    Zé Lobo


  35. Arrasou !


  36. Yehuda concorda! http://www.yehudamoon.com/index.php?date=2010-06-17


  37. Yehuda é mesmo mto bom. :)


  38. […] no mundo, inclusive São Paulo e Curitiba. Se você acompanha este blog, sabe que eu também sou adepto do […]


  39. Chego atrasado a este post, infelizmente. Sou cirurgião maxilofacial com 13 anos de prática e plantonista e responsável pela rotina de dois hospitais de emergência no Rio de Janeiro.

    Atendo diariamente casos de trauma crâniofacial por queda ou colisão. Nunca tive um plantão em minha vida sem uma emergência ligada à bicicleta. Vejo de maneira rotineira os prejuízos e a maior gravidade das lesões que sofrem os ciclistas sem equipamento de proteção e o contrário nos devidamente equipados. Uma tristeza que no meio de um quadro desse, ampliado em todo país, alguém fale contra a importância de um item como o capacete. O que virá em seguida, um blog contra o cinto de segurança nos carros?


  40. Caro Antonio Marcos,
    você pode ter chegado atrasado, mas sua contribuição continua sendo bem-vinda.

    Sobre suas colocações, faço algumas ressalvas. Primeiro, acho muito, mas muito difícil que em 13 anos de plantão você tenha visto algum acidente do tipo todos os dias. Mas entendo que você tenha feito essa colocação só para reforçar seu ponto. Isso é um tanto improvável pois não ocorrem tantos acidentes de bicicleta assim.

    Em segundo lugar, você, como médico, deve se lembrar que está em contato direto com os acidentes que ocorrem. Sendo assim, devemos lembrar do efeito da atenção seletiva: você está acostumado a só ver o lado dos acidentes.

    Mas, já que você citou o cinto de segurança, eu pergunto: qual a principal causa de morte nos “acidentes de trânsito” (sabemos que isso não existe) envolvendo automóveis? A resposta correta é traumatismo craniano. Não deveria também ser obrigatório o uso do capacete para motoristas e passageiros? Devemos nos lembrar que acidentes automobilísticos são muito mais comuns e graves do que aqueles envolvendo bicicletas.

    Eu não sou contrário ao uso do capacete, nem a favor. Eu não uso, mas a escolha é minha, pessoal. Inclusive deixo claro que a escolha é de cada um. Meu ponto principal aqui é a indústria do medo. A indústria que vende a “segurança” de carros blindados, filmados, guaritas e guardas. Talvez você saiba, talvez não. Mas num atropelamento a 60 Km/h, a chance de sobrevivência é de 5%. A 40 Km/h, é de 95%.

    Agora, é claro que, em caso de queda, alguém com capacete estará mais protegido do que a contrapartida. Assim como um ciclista com joelheiras e luvas estará protegido contra outros tipos de queda. Só que outro ponto desse posicionamento é que a realidade é construída a partir das perguntas que fazemos. Se você vê o capacete, pensa se é perigoso. Se você não o vê, a chance de pensar nisso é muito menor. E, se até hoje não foi provado que a obrigatoriedade do uso do capacete diminui o número de mortes de ciclistas, já está claro que o aumento no número dos ciclistas nas ruas aumenta a segurança do grupo. E que o capacete é um dos fatores que impedem ciclistas de pedalar. Entre mais ciclistas nas ruas sem capacete e menos com capacete, fico com o primeiro grupo.


  41. O Vitor tinha um ponto interessante a dizer, mas encheu o texto com um monte de groselha, por não ter meditado bem antes de escrever.
    Aí deu nesse monte de argumentação pra lá e pra cá.
    É claro que mais gente pedalando seria bom pra todos, em milhares de aspectos, inclusive desmistificar o uso do capacete. Mas escolheu-se a pior e mais longa maneira pra dizer isso.

    O penúltimo comentário do cirurgião Marcos é um Cheque-Mate na história. Os fatos estão aí, anos e anos acumulados, não tem nem o que discutir.

    Protesto sem inteligência, indignação sem estratégia, não vale de nada.


  42. Definitivamente o radicalismo dos que defendem o capacete é de dar uma preguiça.

    Vale ressaltar que a maior epidemia que vivemos hoje é a do sedentarismo, com a obesidade e outras doenças associadas correndo junto.

    Traumatismo craniano existe, mas defender o capacete é esquecer o mais importante. Precisamos de mais e mais pessoas pedalando para ter um trânsito mais seguro para todos.


  43. Olá pessoal!
    Primeiro acho que deveríamos promover campanhas, como ciclistas, para que as cidades tenham ciclovias (algumas já possuem).Moro em POA RS, além de não haver ciclovias o trânsito e´caótico o motorista mal educado,as calçadas esburacadas, quando disponìveis!Ciclovia aumentaria a segurança para pessoas que usam a bike como meio de transporte!
    #Quanto ao capacete, posso afirmar,em um acidente violento pode haver politraumatismos, a maioria com chance recuperação, mesmo com sequelas, mas traumatiso craniano normnalmente MATA!
    Como saber se vou bater a cabeça ou não???
    #Uma pessoa com queda da própria altura, parado, com ponto de impacto na cabeça,mata mais do que imaginam!!!!
    #Acidente de carro (grave, capotagem,..)com cinto de segurança:SIM salva a sua vida!Não precisa capacete, o cinto evita os piores traumas que possam acontecer!Na cena de um acidente,é visível a diferença da vítima sem cinto!
    # O USO DE EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA (em qualquer atividade)é SIM um problema de todos, pois, é uma questão de saúde pública, despesa para o SUS (onde todos os acidentados recebem o primeiro atendimento, mesmo conveniados e particulares)Tomografia , Rx . cirurgias com próteses, plasticas, reabilitações…tudo é CUSTO que poderia ser evitado!Estes prorrogam ,e muito, os tratamento e exames eletivos de problemas de saúde que não foram provocados!!! REFLITAM

    Desculpa o depoimento não agradável! Eu trabalho faz 8 anos no SAMU e sei bem como os acidentes acontecem!
    *inclusive, segundo estudiosos de trauma de todo mundo : “ACIDENTE” não existe,tudo tem causa e consequência e poderia ser evitado!


  44. […] aí entra o capacete. Tem muita gente boa que deixou de usar capacete por motivos relacionados aos citados acima. Por ser um símbolo do medo, do perigo. Por entenderem […]


  45. Sou a favor de equipamentos de proteção individual. Do capacete à camisinha, passando por óculos & luva, no caso da bicicleta.

    Acho que é mais uma questão de educação e cultura.

    On the other hand, acho que é proibido proibir. Sou contra patrulhas. De idéias, de costumes, de tudo. O fim da picada o Estado entrar nessa. No máximo campanhas educativas… E vamos deixar de papo & pedalar!


  46. […] anos atrás sobre bikes, por exemplo, mudou bastante. Se eu era defensor ferrenho do capacete, hoje passo longe do seu uso. Se, inicialmente eu postava umas dicas e truques pra ser sustentável (que até hoje é um dos […]


  47. […] Capacete é coisa que colocaram na sua cabeça […]


  48. De onde foi que vc tirou os dados ciêntíficos? Ficou vago isso pois não vi nada além da wikipédia sendo mensionada. Tem de ter dados concretos de sites confiáveis. Pois me soou como uma espécie de medicina alternativa onde tenta-se comprovar experimentos através de experiências pessoais e artigos de pessoas não reconhecidas no meio científico. Gostaria de saber os números e de onde foram retirados.


  49. Artenio, se você olhar com cuidado, encontrará, neste post, diversos links com estudos científicos que comprovam parte do que eu digo. Por outro lado, uma parte do que eu digo é sim empírico e não científico. Quais números, exatamente, você gostaria de ver os estudos que eu não explicitei aqui?


  50. Aqui fala de capacetes tanto de ciclistas quanto motociclistas e de como ele pode sim reduzir as chances de morte ou sequelas graves. E também na diminuição, para o governo, de custos de tratamento. Isso a nível mundial.

    http://whqlibdoc.who.int/publications/2006/9241562994_por.pdf

    http://www.vias-seguras.com/layout/set/print/documentacao/documentos_temas_a_a_c/doc_capacetes_para_motociclista_e_para_ciclista/capacetes_manual_oms_2007/o_manual_capacetes_em_leitura_direta


  51. Sei que tens tua opinião a respeito do capacete, eu também gostaria de não usa-lo, mas acho um ítem importante de segurança assim como o cinto de segurança. Em determinados casos sei que ele pode não fazer diferença, mas pode ajudar que pequenos incidentes não se transforme em algo pior.
    Abraço.


  52. Artenio, vide meu argumento sobre os acidentes com traumatismo craniano no banheiro.


  53. Sim, mas isso não quer dizer que tenho de andar de capacete no banheiro, mas me precaver utilizando um chinelo ou tapete antiderrapante. Assim como não ha necessidade de motorista, exeto profissionais, andar de capacete no carro, pois já tem o cinto. Quero dizer que corremos riscos o tempo todo, mas quando nos espomos sem segurança aumentamos as chances de danos mais sérios. Em determinadas regiões por exemplo é mais fácil ser assaldado do que outras, quando podemos desviamos esse locais e quando não podemos desvia-lo passamos por eles mas tomando as medidas necessáris para que as chances de assaltos seja a menor possível ou não levamos nada de grande valor conosco para minimisar as perdas materiais. Da mesma forma o capacete, se vai para o transito por que não se previnir?


  54. É obvio que se a pessoa tiver a infelicidade de ser atropelada por um carro de nada adiantara o capacete, se for por um Onibus ou Caminhão então, nem estando com a armadura do Homem de Ferro ela se salva!
    Porém a questão não é esta, o uso do capacete eu acho importante, pelo fato de vc nunca saber e nunca prever quando e como irá cair!
    Já ouvi falar de gente que escorregou um (1) one, degrau de escada, bateu a cabeça no chão ficou em coma e faleceu!
    Agora imagina vc em uma velocidade consideravel, caindo de uma bicicleta, e rolando pelo chão? Sem saber que parte do seu corpo vai sair batendo se tiver algum obstáculo pelo caminho!
    Ficar achando que nunca vai bater a cabeça, porque nunca aconteceu, é pura sorte e é uma roleta russa, pois se um dia não der para aparar a queda com as mãos? E se a pessoa for arremesada da bicicleta e cair de costa no chão?
    Material de segurança, é justamente para isto, para prevenir, não é para ser testado e nem usado de preferencia, pois se vc coloca em uso é porque está se acidentando e isto nunca é bom ! Este uso do capacete e luvas são apenas para uma situação de emergencia, o uso destes itens acho fundamental!
    Pelo sim e pelo não amigo! QUEM TEM CABEÇA seja motoqueiro ou ciclista deve sim usar o capacete !
    Não concordo também que o motorista respeite mais quem não usa o capacete do que quem usa, me desculpa mas a afirmação é ridicula, um ciclista de capacete passa seriedade, demonstra que a pessoa zela pela sua saude e proteção, demonstra responsabilidade.
    E além disto tudo de quebra ajuda a separ o cilcista sério, da má imagem daqueles moleques de boné para trás , irresponsáveis que fazem besteiras nas ruas, nas calçadas e que não respeitam ninguém tirando fina e empinando suas biciletas em cima dos outros.Estes ai realmente não precisam usar capacete porque se cairem e bater a cabeça não acontece nada, por não ter nada dentro da cabeça! KKKKKKKKKKK

    Quem usa capacete mostra que usa a cabeça! E passa a imagem de pessoa responsável! Que dá exemplo!

    Bom pedal a todos!


  55. SOU CICLISTA. FALO ISSO COMO SE FOSSE UMA RELIGIÃO. SER CICLISTA É TER IDENTIDADE PRÓPRIA.. É RESPEITAR-SE E PROCURAR RESPEITAR OS OUTROS TAMBÉM. MAS O TRÂNSITO DO RIO DE JANEIRO É UMA LOUCURA. PEDALO SEMPRE DE VILA ISABEL AO CENTRO DA CIDADE ( 23 MINUTOS NO TEMPO MÉDIO), NO ÚLTIMO DIA 12 DE JUNHO UM MOTOCICLISTA CRUZOU O MEU CAMINHO NA PRAÇA TIRADENTES PRÓXIMO AO 5º BPM, BATI COM A PARTE DE TRÁS DA CABEÇA NO CHÃO. ATÉ HOJE SINTO DORES HORRÍVEIS; ESTAVA SEM CAPACETE. FUI ILUMINADA NA HORA, POIS ATRÁS DE MIM ESTAVA UM ÔNIBUS. AO CAIR, ESPEREI OS ÚLTIMOS SEGUNDOS DE VIDA ESPERANDO A RODA DO ONIBUS PASSAR SOBRE A MINHA CABEÇA. O QUE NÃO ACONTECEU. SERÁ QUE O CAPACETE IRIA ME PROTEGER DESTE TIPO DE TRAGÉDIA ??SOU MULHER, E VEJO QUE RESPEITAM MAIS O CICLISTA QUANDO ESTÁ DE CAPACETE, POIS O RESPEITAM ACREDITANDO QUE A BIKE É REALMENTE UM TRANSPORTE DE TRABALHO. TENHO CAPACETE, MAS SEMPRE ESQUEÇO DE USÁ-LO.


  56. Marivânia !

    Com certeza se vc estivesse de Capacete e a roda do Onibus tivesse passado sobre sua cabeça vc não estaria aqui para escrever este relato, porém se vc estivesse de capacete vc não estaria sentindo dores horriveis até hoje, isto se chma sequela!
    Estas pessoas que ficam criando estes Blogs dizendo ao mundo que não usam capacete por isto e por aquilo, por mais que digam que não estão incentivando o NÃO uso, é uma mentira enrustida, pois ficam arrumando MIL desculpas esfarrapadas, para tentar justificar seu erro, ERRO SIM! Pois para mim um Ciclista ou um Motociclista, ou qualquer pessoa que ande em um veiculo de duas rodas acima de 20km por hora sem proteção, CAPACETE e LUVA, é inconsequente SIM !
    Pode até justificar dizendo que a incosequencia é dele , a cabeça é dele o risco é dele etc, isto é verdade, mas isto não é motivo para ficar colocando justificativas ou tentando argumentar que usar capacete não protege e não usar capacete é normal etc e tal, isto é uma BABOSEIRA sem tamanho!

    Aos demais CICLISTAS !

    Capacete é um item de PREVENÇÃO, a própria palavra já diz tudo, vc tem de se prevenir, pois ninguém aqui é VIDENTE, PARA SABER O EXATO MOMENTO de como , quando e de que jeito vai cair !
    Este tipo de depoimento de não usar capacete, só confunde quem está começando a pedalar agora, não quer usar, ÓTIMO guarde os argumentos e as consequencias para vc!
    Outra coisa se lançarem uma lei obrigando o uso, é ótimo, pois assim SELECIONA melhor quem realmente quer pedalar com segurança e responsabilidade, ajuda inibir que muitos destes Funkeirinhos sem noção e nóias, com bicicletas velhas as vezes até roubadas,estes moleques mal educados que nem sabem andar de bicicleta de verdade e só vão nas Ciclovias e Ciclofaixas para encher o saco de quem realmente tá a fim de curtir um pedal!Ajuda a espantar este tipo de gente chula que não sabe respeitar os outros e viver em sociedade !
    Além disto aqui neste pais a coisa só anda mesmo quando tem lei obrigando, o uso do Cinto de Segurança lembra??? Quantas vidas não são salvas hoje! A lei do Alcool para menores, a lei anti-fumo em restaurantes, e tantas outras leis, infelizmente o ser humano não sabe viver 100% em liberdade, ele ESTRAPOLA, e as vezes leis são criadas para ser uma regra, infelizmente se não for assim não vai!
    Sou a favor do uso do capacete sim, não custa nada demais o sujeito usar um, os capacetes de ciclista são muito melhor do que os de moto, são leves, existem trocentos modelos, cores, formatos, preço etc. A pessoa só não usa se não quiser mesmo! De frescura!
    E nem adianta vir com aquele discurso FEITO de que na HOLANDA , DINAMARCA etc não usam, E DAI??? Quem disse que o que é bom para eles é bom para nós???? O Brasil não pode ser exemplo, pelo menos uma vez???? Além disto nem dá para comparar a infraestrutura,educação,cultura destes paises para conosco, eles estão muitos anos a nossa frente no uso da BIKE !!!!!!
    Bom é isto que penso e tenho a dizer para encerrar o assunto, cada um faça o que quiser! Só não venha depois que rachar a cabeça, culpar o buraco, o asfalto, a pedrinha, o cachorro,o gato preto….o Bozo, o Buraco na camada de Ozonio etc…. A culpa do RACHO na testa é de todo mundo menos do bonitão sem o capacete!

    PARA REFLETIR:

    O que vale mais??? Vc ter um capacete seja de 50 a 700 reais, e nunca precisar usá-lo numa queda???Ou ter uma queda e justo no dia que precisaria ter um , ficar lá estiradão no chão esperando o SAMU chegar!!!!

    Bom pedal a todos !!!!!!!!!!


  57. Cara eu uso a bike no dia a dia e ando de mtb nos fds, ou seja, estou bem exposto a td que se pode acontecer com um ciclista – tanto coisas boas quanto as ruins. Posso dizer que dos 4 tombos mais sérios que tomei 2 o capacete foi de extrema importância – 1 foi indo para faculdade e outro na mtb – um deles inclusive, meu capacete chegou a rachar sem acontecer nda com a minha cabeça.
    Para vc que dá demasiada importância para estética e usa a bike dentro da cidade, sugiro que use os modelos “coquinhos” , inclusive acho que para cidade eles são melhores que os outros pois protegem mais.
    Só não me venha fazer esse discurso sob o rótulo do “não estou incentivando ninguém”, pois quem fala algo com certeza está tentando e com ctz incentivará alguém.


  58. Meu amigo, sou médico, ciclista de final de semana e posso dizer que já vi muitos acidentes de carro,de motos e também de bicicletas. Sinceramente acho um absurdo os ciclistas quererem respeito no transito. Seria o mesmo que pedir aos macacos para respeitar um cacho bananas… ou ainda, seria o mesmo que esperar que usuários de metro respeitem a faixa amarela.
    Acontece que as consequências do desrespeito com os ciclistas são óbvias e muitas vezes fatais.
    O que fazer? Simples… pedale apenas em curtas distâncias, ande de preferência em calçadas.
    Se for andar na rua, que seja em ruas de bairros, na contra mão e em baixa velocidade.


  59. Caro Marcello, acho válida sua posição e é seu direito escolher pedalar apenas nessas condições. Peço que, ao pedalar na calçada, atente para os pedestres, que têm pouco espaço nas cidades e são a parte mais frágil do trânsito.

    Porém, devo dizer que sua descrição de “médico e ciclista de final de semana” não o qualificam de forma alguma a dar conselhos sobre o uso da bicicleta como transporte nas cidades e, francamente, demonstram uma certa falta de conhecimento desse uso.


  60. Parabéns pelo artigo. Gostei demais. Quando alguém me perguntar porque eu não uso capacete vou mandar o seu link como resposta…


  61. Entendi que o autor não é contra o uso do capacete, apenas contra a obrigatoriedade do mesmo pois se sente mais seguro sem. porém esse tipo e texto pode ser perigoso por que algumas pessoas só querem um pequeno motivo pra deixar de usar o capacete e lembrando que ninguém pedala igual, todos andam em ritmo diferente, então dependendo do tipo de acidente o capacete pode fazer a diferença sim mas o seu texto foi direcionado pra todos que andam de bicicleta : iniciantes,sedentários,esportistas,pedaleiros de final de semana,veteranos. todo tipo de gente vê esse texto então o mesmo incentiva o desuso do capacete, pense nos iniciantes que estão vendo isso tbm.


  62. […] Capacete é coisa que colocaram na sua cabeça […]



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 100 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: