h1

E você, sabe a diferença entre 15 centímetros e 1,5 metro?

junho 17, 2011

Fina educativa

Fina educativa - Foto da Polly Rosa

Existem duas falácias que costumo ouvir sobre o artigo 201 do Código de Trânsito e a aplicação de multas. O Artigo 201 diz que, ao ultrapassar uma bicicleta, o motorista deve reduzir a velocidade e manter distância mínima de 1,5 metro do ciclista. O desrespeito a essa lei pode, facilmente, levar à morte do ciclista. Se você acompanha minimamente o assunto, já deve ter ouvido, ao menos, uma delas. Resolvi escrever esse post pois encontrei AMBAS em um mesmo artigo do UOL Notícias. Primeiro, um pouco de contexto.

Das 6,9 milhões de multas emitidas em São Paulo em 2010, 82% se enquadravam em 5 tipos: rodízio, excesso de velocidade, estacionamento proibido, telefone celular e avanço de semáforo vermelho.  Nesse contexto, só 3 motoristas foram autuados sob o artigo 201. Além das razões falaciosas de que vou tratar já já, outro motivo fica claro: 62% das multas são dadas por equipamentos eletrônicos.

Mas vamos às duas justificativas. A primeira desculpa é dada pela CET, na matéria do UOL:

Em nota, a CET afirmou que a fiscalização ao artigo 201 “é prejudicada pela dificuldade de se verificar a distância mínima de 1,5 metro entre veículos motorizados e bicicleta”. Por conta disso, diz o órgão, “o volume de multas dessa infração é baixo”.

Leitor, faça-me um favor. Estique seu braço. Dependendo da sua altura, a medida será entre 60 e 80 centímetros. Agora imagine que existe outro braço na ponta do seu, com a mesma medida. A não ser que você seja uma pessoa bem alta, é provável que os dois braços juntos não cheguem a 1,5 metro. Ou seja, só de olhar para o ciclista dá pra sacar se o veículo está passando a uma distância menor do que a proposta: basta imaginar que ele está de braços abertos. Por sinal, é o que eu sempre levo em conta. Se eu conseguir tocar num carro, ele está perto demais.

Foi o que aconteceu ontem comigo, quando um motorista cruzou 3 faixas para fazer uma conversão à direita e me fechou. Mas, como já tenho alguma experiência, pude prever o movimento e me resguardar – não sem antes dar um tapa no porta-malas, para que ele entendesse quão perto passou.

Pode parecer arbitrário, mas 1,5 metros não é um número qualquer. Todos nós temos a capacidade de avaliar objetos e imaginar o tamanho que eles têm. Você, com certeza, sabe a diferença entre algo que está ao alcance das suas mãos (60 a 80 centímetros) e algo que não está. Um metro e meio é uma medida que facilita a autuação. E nenhum ciclista pede que sejam multados os carros que passem a 1,38 metros. Mas aqueles que tiram as finas educativas, ou passem a menos de 1 metro. A imagem deste post é bem clara: você acha que o motorista está ou não passando a 1,5 metro do ciclista?

Quanto à segunda desculpa, quem explica é Capitão Paulo Oliveira, em nome Comando de Policiamento de Trânsito (CPTran) da Polícia Militar, na mesma matéria do UOL:

“A estrutura da maioria das vias não permite que os veículos mantenham a distância de 1,5 metro da bicicleta. Devido à falta de espaço, restringe-se a a aplicação de reprimenda administrativa”

 

Chega a ser risível esse motivo. Se a estrutura da via não permite que a bicicleta seja ultrapassada com segurança, ela não deve ser ultrapassada. Simples assim. Esqueçamos que estamos falando de uma bicicleta por um instante. Se fosse um automóvel na sua frente, você não o ultrapassaria, porque ele está na sua frente, ocupando a faixa. A bike ocupa a faixa, e tem direito a estar lá tanto quanto o automóvel. Aí você pode argumentar que a bicicleta é muito lenta, numa subida, por exemplo. Então imagine que é um caminhão que está subindo, e ele está carregado. Você não vai passar por ele sem segurança. Mas, como falamos de uma bike, um veículo frágil, em última instância, basta jogar o carro pra cima, que o ciclista desvia, não é?

É por isso que os ciclistas experientes costumam pedalar longe da guia, e mais próximos ao meio da pista de rolagem. Dessa forma, obrigam o motorista a trocar de pista para ultrapassá-lo, garantindo uma segurança maior, ao mesmo tempo que resguardam um espaço para uma fuga emergencial. Se você está quase na guia, e um veículo tira uma fina, você vai bater no meio fio e cair. Se tiver um buraco na sua frente, você não tem pra onde desviar.

Faz bastante tempo que eu ouço esses pseudomotivos para a CET não multar. Acho que está claro, nesse post, que são apenas desculpas. O ponto principal, no entanto, é outro: mais do que uma questão de respeitar a legislação, o importante é respeitar a vida. Não importa a distância exata, o número, a régua. Importa ultrapassar sempre com segurança. Importa lembrar sempre que a bicicleta não é um brinquedo, não é um obstáculo. É um veículo e leva, antes de qualquer coisa, uma vida. Simples, não?

:::

Leia também:

Capacete é coisa que colocaram na sua cabeça

Mudar o mundo com uma imagem

Um atropelamento fortuito

Repercutindo um atropelamento fortuito

Por que ocupar a faixa com a sua bicicleta

:::

Já curtiu a página do Quintal no Facebook? Além do conteúdo gerado aqui no Quintal, no Facebook e no Twitter, fazemos uma curadoria do que vemos por aí e achamos relevante. Siga-nos os bons!

About these ads

11 comentários

  1. Melhor impossível, cara. Direto ao ponto crucial!


  2. Obrigado, Sumaya! Faz tempo que eu to engasgado com esse papo. ;)


  3. Concordo com o que vc disse, mas existem pessoas que sabem andar de bicicleta e outras que andam como se fossem motoboys.

    Quer ser respeitado? Respeite tmb.. Como já vi várias pessoas de bicicleta andando no meio da rua e se achando o dono do mundo ou passando por menos desse 1,5m de pedestres atravessando na faixa com o farol para aberto para eles.


  4. @dmv82,
    Não entendi seu comentário “Já vi várias pessoas de bicicleta andando no meio da rua e se achando o dono do mundo”. Onde, então, deveriam estar esses ciclistas, na sua opinião?

    Outra coisa: é muito fácil desqualificar todo um grupo de pessoas por conta de alguns que agem de forma errada. Isso não tira de ninguém o direito de ser respeitado – de ter a vida respeitada.


  5. Deveriam estar na rua, mas respeitando também o seu espaço.

    Não desqualifiquei todo um grupo de pessoas, disse que existem pessoas que sabem andar de bicicleta e sabem respeitar os outros, assim como uma boa porte dos motoristas sabem respeitar os ciclistas; Problema que depois, tanto o ciclista quanto o motorista, “descontam” em pessoas que não fizeram nada!

    Todos os grupos tem aqueles que agem de forma errada, e sempre vai ter. Basta cada um fazer a sua parte e respeitar o próximo como se você ele mesmo!


  6. Meu ponto, dmv82, é que isso de fazer a ressalva de que “tem gente que não age direito” é mudar o foco da discussão. Estamos falando de um tipo de desrespeito, entende? Qual é o espaço devido ao ciclista na rua?

    Não estou negando as pessoas que agem mal, só atentando para um pensamento que a gente costuma ter, sem querer. Se você soubesse quantas vezes eu ouço “hoje eu vi um ciclista fazer isso”, como se eu fosse responsável por todos eles, sabe? É uma dúvida minha: porque pensamos dessa forma?

    E obrigado pelos comentários. :)


  7. Não acho que os ciclistas tenham que respeitar os motoristas no contexto atual do nosso trânsito. Mas não respeitar não significa desrespeitar mas levar em conta primeiro outras prioridades como a própria segurança e fazer valer os seus direitos no trânsito. Até lá, temos que cobrar respeito dos motoristas e das autoridades! Só então aceito falerem dos ciclistas: http://laedevolta.com.br/blog/2011/06/14/a-solucao-mais-rapida-barata-e-eficiente-para-aumentar-o-numero-de-ciclistas-nas-ruas/


  8. […] 1,5 metro do ciclista. O desrespeito a essa lei pode, facilmente, levar à morte do ciclista. … Read More via Quintal – Ideias para um mundo […]


  9. […] quintal » e você, sabe a diferença entre 15 centímetros e 1,5 metro? fonte: http://nossoquintal.org/2011/06/17/e-voce-sabe-a-diferenca-entre-15-centimetros-e-15-metro/ […]


  10. Oi Vitor, a foto ilustra perfeitamente o que aconteceu comigo outro dia na Paulista. O ônibus me ultrapassou pela esquerda a toda, menos de um palmo, e voltou para a faixa preferencial. Além de tomar um baita susto, podia ter causando um acidente, pois joguei a bike para a pista preferencial. Por sorte não passou nenhum carro na hora. Eu estava na mesma posição do ciclista da foto. Fui conversar com o motorista e ele me disse que eu deveria pedalar no “meu lugar”! Oras bolas, é o que eu estava fazendo! Ótimo post! Abraços


  11. […] – Ideias para um mundo melhor Idéias para um mundo melhor « E você, sabe a diferença entre 15 centímetros e 1,5 metro? Pelo direito de escolher junho 29, […]



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 100 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: