h1

A economia do botijão de gás

novembro 8, 2011

Troco trabalho por comida

Troco trabalho por comida. Cortesia de Technosailor

Caroline Derschner é formada em comunicação pela PUC e fez o curso de Ativismo e Mobilização para Sustentabilidade comigo. Quando voltamos da imersão, propus que ela colaborasse de vez em quando com o Quintal. Ela topou e escreveu o post abaixo, que é, a meu ver, uma reflexão interessante sobre nossos preconceitos a respeito de quem vive abaixo da linha da miséria. Acho que, além do que ela disse, vale lembrar que existe uma grande diferença entre trabalho e emprego, mas esse fica pra um próximo post. Acessem também os blogs dela: Um par de óculos e O beabá da mulher maravilha.

Já era de noite e eu estava na rua quando ela me parou. Tinha pouco mais que a minha idade, talvez uns três ou quatro anos a mais. Usava roupas em bom estado e tinha uma criança ao colo. Era bonita. Estivera andando o dia todo. E eu, naquele dia de sol forte, das poucas caminhadas que tinha dado, já sentia a cabeça doer. A moça me contou que estava procurando emprego de faxineira já fazia dias, e que estava morando na capital porque havia fugido do marido com suas crianças. Pude perceber a vergonha em seus olhos. Ela se desculpou por incomodar, mas disse que precisava urgentemente de um trabalho, qualquer que fosse, para comprar um botijão de gás e alimentar seus filhos no acampamento sem terra em que morava.

Expliquei à moça que não poderia lhe contratar e que não sabia onde pudesse conseguir um trabalho, mas ofereci-lhe um pouco de dinheiro. Foi quando a moça, tomada por um sentimento de tristeza e resignação disse: “Não quero dinheiro moça.”. Ela precisava de um emprego, e sabia disso. Não queria pedir. Sabia também que o dinheiro dado no dia, não valeria tanto quanto a garantia de um trabalho. Seu bem mais caro e de maior urgência era o botijão de gás. R$ 45,00 – o preço de um dia de faxina segundo ela, e muito mal pago, por sinal. Disse-lhe para aceitar o dinheiro, se pudesse ajudar a comprar comida para a criança. Ela aceitou, mas com peso nos olhos, dinheiro não valia tanto quanto trabalho.

Vergonha

Vergonha. Foto de Breno Peck.

A história é semelhante a muitas outras, para quem vive em São Paulo, metrópole cujos bolsões de pobreza e histórias inacreditáveis, não são mais apenas bolsões – são a própria face escondida por trás de nosso modelo de progresso, escrita e estampada nas ruas da cidade. Talvez a história não choque, muitos de nós estão distantes da realidade de fugir às pressas de casa, deixando para trás o pai dos seus filhos e sumindo no mundo. Mas todos nós sabemos quanta razão tinha a moça em preferir um trabalho do que o dinheiro dado. Dinheiro que já havia recebido de outras pessoas em sua caminhada em busca de emprego. Essa sutil diferença entre ganhar dinheiro e receber dinheiro, determinaria para a moça, dois caminhos diferentes de vida a seguir. Provavelmente para seus filhos também.

Mais do que uma faceta de nossa sociedade, essa moça é um retrato de uma complexa situação socioeconômica brasileira, na qual, em escala ampliada, há uma parcela da população em boa situação social disposta a dar dinheiro, mas incapaz de oferecer um trabalho. Pessoas cuja renda capacita ao assistencialismo, mas não são capazes de replicar essa riqueza, provendo trabalho. Há muito mais domésticas oferecendo seus serviços, do que vagas para esse tipo de trabalho em uma metrópole como São Paulo. E é vergonhoso perceber como nossa organização social traz contrariedades tão grandes como essa: é possível doar para muitas  pessoas necessitadas, pois o excedente monetário viabiliza isso, mas não é possível absorver tantas pessoas para dentro de uma dinâmica de geração de renda e riqueza. Isso ainda vai mais além, pois é uma das profundas raízes do que chamamos pobreza endêmica em uma organização social.

Passamos então a repensar uma das muitas causas da pobreza, não como ausência de riqueza monetária produzida por um local (isso não é novidade), nem como disparidade de distribuição desta riqueza, de forma direta, mas como um desequilíbrio na organização do sistema de trabalho, se pensado como um ecossistema único e integrado.

Ainda na sociedade brasileira, confundimos dinheiro com riqueza, duas coisas muitas vezes integradas, mas diferentes. Em termos simples, riqueza é ter o que comer, ter saúde e viver bem. Dinheiro são notas que você guarda no banco, de valor simbólico e instável. Pois bem, a sociedade brasileira produz dinheiro, sua nova classe média e a classe alta possui mais dinheiro do que nunca possuiu, e mesmo assim a riqueza diminui. Enquanto isso, acostumado com uma noção parcial de crescimento econômico e riqueza, o Brasil caminha. Também caminha aquela moça, vendo sua riqueza no tão sonhado botijão de gás, muito mais do que no dinheiro assistencial que toda uma classe é capaz de lhe oferecer.

:::
Confira também o post:
Enquanto o Brasil for desigual, seremos campeões em reciclagem
As vozes de Wall Street
We are the 99%
About these ads

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 100 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: